segunda-feira, 4 de abril de 2016

Teste

Teste

Lá no agreste
A veste não era veste

Há boatos de peste
Que se preste

A dúvida ixéste

Na rosa dos ventos de leste
Mais ao norte-nordeste

A riqueza quiseste
Mas não havia campestre

Café, açúcar, gado, rapadura pro mestre
Que de mestre... éste, éste, mais éste...

Era amarelo ouro que se investe
Era amarelo poeira que se inverte

Foi pro bolso do guest
Que nem o pensamento compete

O que importa é a saúde e a energia do pivete
Energia além de qualquer atestado que ateste

Isso não se mede, nem se investe

Houvera, há, e sempre há de ter amor rupestre
No ingênuo eterno coração silvestre

Nenhum comentário:

Postar um comentário